Wednesday, February 13, 2008

O HOMEM INTERNACIONAL DO MISTÉRIO VOLTA DAS TREVAS

Entrevista exclusiva dada para o site http://www.aristoi.com.br

1. Para começar, gostaria que nos falasse sobre sua formação e sobre sua carreira. Muitos o conhecem dos textos que publicou n'O Indivíduo, mas, fora isso, sabemos muito pouco sobre você. Enfim, conte-nos um pouco do que tem feito e dos seus planos.

Bem, não há nada demais na minha formação e na minha carreira. Sou formado em Jornalismo pela PUC-Campinas, fiz também as faculdades de Letras (Unicamp) e de Direito (PUC-Campinas) e atualmente faço mestrado em Ciências da Religião na PUC-SP, sob a orientação de Luiz Felipe Pondé. Abandonei a profissão de jornalista simplesmente porque não agüentava as idiotices que acontecem nas redações; a partir daí, fui trabalhar em outras áreas – como, por exemplo, revisor de textos e vendedor na Livraria Cultura Villa-Lobos – e depois de algum tempo me chamaram para organizar o Departamento de Humanidades do IICS. Agora, sobre o fato das pessoas saberem pouco sobre mim, isso é uma mentira; não sei se isso tem algum interesse, mas é só lerem os meus ensaios em O Indivíduo, no Digestivo Cultural e no meu blog Aurora Borealis, além de, obviamente, verem toda a programação de Humanidades do IICS – e perceberão que estou todo ali, full frontal.

2. Embora certamente haja um núcleo de princípios comuns entre as diferentes definições de educação clássica, há também uma dificuldade em defini-la claramente. Por isso, gostaria de lhe perguntar qual é a sua definição de educação clássica? Enfim, qual a concepção que fundamenta seu trabalho no IICS?

Não tenho uma definição de Educação Clássica porque este tipo de educação não deve ser definido como um sistema cheio de princípios lógicos; a Educação Clássica é a educação que qualquer um deveria ter para ser considerado minimamente articulado. O problema é que o Brasil se importa mais com uma educação fundada em bases ideológicas – seja de direita ou de esquerda – e hoje as pessoas lêem o Rubem Alves e a Marilena Chauí, mas não lêem Plutarco, Aristóteles ou Homero. A nossa concepção do IICS é recuperar, de forma bem quixotesca (no bom sentido, isto é, recuperar um norte que foi perdido, mas que está prestes a ser redescoberto), algum brasileiro decente que queira se (re)integrar à tradição do Ocidente, sem se preocupar com o FEBEAPÁ que as ideologias fizeram no país.

3. Podemos ver, pelos seus textos, que você sempre teve uma grande preocupação com a sua formação pessoal e com as questões da alta cultura. Como a educação clássica influenciou sua própria formação? Como estas idéias chegaram a você e como elas lhe afetaram?

A grande preocupação com a minha formação pessoal nos textos que escrevi vem do fato de que não passo de um grande pedante. Com o tempo, vi que ser um grande pedante não levava a nada; percebi que tinha entrar no redemoinho das coisas, de amadurecer nas ambigüidades da vida. A educação que recebi foi igual a de qualquer garoto de classe média – só não virei comunista e um idiota latino-americano por um milagre. O que aconteceu é que passei por certas experiências que, se não fosse pela conversão que enfrentei, nenhuma educação teria me ajudado a compreendê-las. A educação clássica que você fala, Lucas, é simplesmente a educação do homem ocidental que, confrontado com a perspectiva da morte e a inevitabilidade do Mal, o ajuda a enfrentar essas questões – as questões mais sérias da nossa existência – e tenta encontrar não uma solução, mas uma forma de aceitá-las sem falsos otimismos e sem tragédias anunciadas.

4. Devido ao péssimo estado do nosso sistema educacional, muitos dos nossos leitores se vêem pressionados a recorrer ao autodidatismo. Você se considera um autodidata? O quanto da sua formação se deve ao auxílio de professores e ao esforço isolado?

Qualquer um que se orgulhe em ser um autodidata é um completo otário. O autodidata é o ser mais solitário do planeta. Não encontra eco, não encontra confronto. O Bruno Tolentino me dizia sempre para fazer um mestrado porque, apesar do nível baixo das universidades, elas sempre são um local de encontro de idéias e de debates. Confrontar os seus inimigos intelectuais é essencial para a formação de qualquer um que queria enfrentar a vida como um adulto. A minha formação vem de muita coisa que li sozinho, mas também das várias pessoas que me influenciaram: meus pais, os meus amigos do IFE (Instituto de Formação e Educação, entidade que criei com alguns amigos e onde discutimos Platão minuciosamente há quase quatro anos), os colegas do mestrado, os verdadeiros mestres com quem tive a benção de conviver, como Bruno Tolentino, Luiz Felipe Pondé, João Pereira Coutinho, Olavo de Carvalho; e também os mestres que já se foram há algum tempo, como Eric Voegelin (este sim, a minha verdadeira influência, junto com Tolentino), Mário Ferreira dos Santos, Chesterton e muitos outros.

5. Diga-nos quais foram os principais livros, cursos ou experiências que mais fortemente definiram o seu percurso intelectual – e o que disto você nos recomenda.

Os livros que te marcam mais são sempre relacionados com algumas experiências cruciais pelas quais todo o ser humano deve ter passado. Falo, claro, da experiência da morte e do sofrimento, mas também da bondade e da caridade e o fato de que viver em um mundo que tem as duas coisas simultaneamente é talvez a coisa mais perturbadora que alguém pode sentir.

Por isso, alguns livros são fundamentais para se entender essas experiências; para mim foram os seguintes: Ulysses, de James Joyce; Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust; a Poesia de T.S. Eliot, W.H. Auden e W.B. Yeats (leia tudo o que puder desses três grandes gênios); Memórias Póstumas de Brás Cubas e Dom Casmurro, de Machado de Assis; Grande Sertão:Veredas, de Guimarães Rosa; Avalovara, de Osman Lins; toda a obra de Bruno Tolentino (sem dúvida, o maior poeta que o Brasil já teve); as obras de Drummond, Bandeira e Cecília Meirelles; os ensaios de Edmund Wilson, G.K. Chesterton e C.S. Lewis; e as grandes obras filosóficas de Platão, Aristóteles, Santo Agostinho, Santo Tomás de Aquino e Eric Voegelin.

Também não deixaria de lado a música e o cinema, artes essenciais para que alguém tenha uma sensibilidade saudável. Escute os clássicos (Mahler, Bach, Mozart, Sibelius), escute o bom e velho rock-n´-roll (todo mundo sabe da minha fixação por Bob Dylan) e veja filmes, muitos filmes, em especial os de Stanley Kubrick, Howard Hawks, Joseph Mankiewicz, F.W. Murnau, Scorsese e tantos outros.

6. Finamente, gostaria de entrar em uma questão cara aos leitores do Aristoi: seu trabalho junto ao IICS. Gostaria que você nos contasse um pouco da história deste empreendimento: como ele surgiu, como você se envolveu no projeto e, evidentemente, quais objetivos vocês pretendem alcançar.

A diretoria do IICS me chamou porque precisava de um sujeito jovem, com uma linha sólida de pensamento cristão e que fosse suficientemente maluco para aceitar uma empreitada dessas. Eu preenchia todos os requisitos. Os objetivos que pretendemos alcançar é ser um centro de pensamento e de formação de scholars. Em outras palavras: um think tank. Conseguiremos? Não sei; o que sei é que a diretoria do IICS me deu todo o apoio necessário.

7. Os "módulos de educação clássica" são, definitivamente, uma dos grandes projetos do IICS. Como foi o processo de desenvolvimento destes módulos (a seleção das leituras, dos temas, a determinação do tempo para cada etapa)?

Foi simples. Inspirei-me nos modelos curriculares do St. John College e do St. Thomas Aquinas e depois discuti bastante com os professores de cada aula, relacionando temas e cruzando referências. Quando se trabalha com pessoas inteligentes e com o mesmo horizonte de pensamento a coisa caminha sozinha.

8. Como será o funcionamento prático dos módulos? Fale-nos um pouco do que vocês esperam realizar enquanto prática pedagógica.

O funcionamento prático dos módulos é a discussão de alguns temas dos livros apresentados e, a partir daí, orientar cada um dos alunos a seguir um caminho próprio, dentro do seu ritmo e do seu interesse. A única coisa que espero é que não venha ninguém com ideologias ou papo falsificado de boteco. Os módulos são para pessoas que gostam de investir na sua formação como algo para a vida e não para conquistar menininhas ou ser bem sucedido no mercado de trabalho.

9. Recentemente, em seu blog, você publicou uma verdadeira declaração de guerra contra o "totalitarismo cultural da esquerda". Como você entende esta guerra cultural? Como você avalia as nossas chances? E – principalmente – quais estratégias lhe parecem mais efetivas?

Bem, estamos em uma guerra, não estamos? Entendo que essa guerra cultural é a mais importante que já passamos. O Brasil não existe mais no mapa da Civilização porque decidiu ir para uma Segunda Realidade onde Foucault é meu rei e o Lula-lá é o exemplo de estadista. É a função desta geração que sabe das coisas recuperar o país do lodo em que se encontra; afinal, nós sabemos que a USP não presta mais e que o PT não é o partido dos santos e imaculados. Nós sabemos quem é quem. E a única estratégia que vejo ser efetiva é a nossa geração tomar vergonha na cara. Mesmo com o aumento de uma resistência na mídia e nos meios educacionais, ainda assim as pessoas que compõem essa suposta “resistência” não passam de sujeitos mimados, egocêntricos e que só pensam no seu “aperfeiçoamento espiritual” – leia-se: fugir do mundo. Afirmam ser cristãos quando Cristo disse que tínhamos que ensinar aos outros, que tínhamos uma missão para realizar neste mundo. É como eu disse: esta é a hora da resistência entrar em ação. Quem não quiser entrar nela não passa de um covarde.

10. Diga-nos o pensa da educação liberal no Brasil - o que podemos esperar do futuro e o que podemos fazer para torná-lo um pouco melhor.

Não existe educação liberal no Brasil. Precisa dizer mais alguma coisa?

11. Por fim, gostaríamos de lhe pedir algumas dicas de estudo e leitura para nossos leitores – e para nós mesmos, evidentemente.

a. Você teria alguma recomendação em relação à ordem prática dos estudos para nossos leituras (técnicas, métodos, etc.)?

A única ordem prática que dou para o estudo é a seguinte: o sujeito tem de estudar porque há um problema que o consome no seu íntimo, um problema que, se não começar a querer saber porque existe e porque incomoda a sua vida, vai deixá-lo louco. Não estude para ter boas notas; não estude para ser culto; não estude para fazer amigos e influenciar pessoas. Estude somente para solucionar a questão que, provavelmente, só vai ser resolvida quando estiver no leito de morte.

b. Que livros sobre educação e formação pessoal você indica?

Indico três: os contos de Sherlock Holmes (para pensar direito e saber onde se encontra o Mal), o Eclesiastes (para você saber que tudo nessa terra é passageiro) e o Autobiographical Reflections, do Eric Voegelin, uma verdadeira aula de como ser um homem do espírito sério.

c. E que livros – sobre qualquer assunto – você recomenda entusiasticamente a nossos leitores?

Recomendo que leiam A Nova Ciência da Política, de Eric Voegelin, para saber o que realmente se passa no mundo, o tratado do Voegelin, Order and History, além de O Mundo Como Idéia, de Bruno Tolentino, uma verdadeira aula de filosofia através da mais bela poesia, e qualquer romance do Joseph Conrad ou do Henry James, para saber como se faz literatura.

Vejam mais em: www.iics.org.br/humanidades

9 Comments:

Blogger Zé Luis said...

Bela entrevista, Martim. Cheia do punch que a condição humana não só merece como parece sempre ser o único admitido neste lacrimarum ualle. Seguinte: o mais falo por telefone ou quando fizer uma visita a esta grande empreitada que começaste, você não imagina o quanto fiquei contente com a notícia. Abraço, Zé.

3:42 AM  
Blogger Danny Doo said...

Bom dia Martim Vasques da Cunha

Estou fazendo um trabalho de conclusão de curso em rádio, o tema é "Militância Política e Social dentro do Rock!" e o orientador (professor André) indicou você como uma referência!


Li seu artigo “Rock e Política, ou: O Mundo como Argila” no site O indivíduo e gostaria de saber se há possibilidade de conversar melhor contigo sobre o tema. É confortante saber que algumas pessoas no meio artístico ainda militam de alguma forma, praticando cidadania e promovendo mudanças, porém algumas bandas usam esse expediente para auto-promoção e não militam de verdade.


Estou elaborando o programa de rádio e gostaria muito que você fosse um de nossos entrevistados.

Preciso confirmar se posso contar com sua participação. A entrevista ocorrerá mais pra frente, porém preciso saber se teremos a satisfação de contar contigo (se possível for, responda-me antes de sexta-feira).


Fico no aguardo e desde já agradeço sua atenção!

Existe algum contato para que eu possa expor melhor do que se trata o projeto?


Abraços,

Daniela Duarte

Fones p/ contato: (21) 3507-2273 / (21) 9120-0965
Msn: dannydoo2005@hotmail.com




Faculdade Pinheiro Guimarães
- Catete / Rio de Janeiro


NÃO CONSEGUI SEUS EMAILS, POR ISSO POSTEI PELO BLOG... ABRAÇOS!!!

3:53 AM  
Blogger Guilherme said...

Tive o previlégio de estudar com o Martim durante 4 anos na PUC- Campinas. Sou testemunha do que ele enfrentou entre 1997 e 2001. Em 1998 a cultura brasileira levava os últimos socos na cabeça antes de cair em lona esplêndida. Nesse mesmo ano, há exatos 10 anos, o Martim já remava contra a maré da ignorância e imbecilidade. Devo a ele hoje eu não estar me alimentando desse estrume intelectual que tomou conta da cultura brasileira. Muito mais do que um grande colega, o maior que já tive, Martim é um grande amigo. Tenho a convicção de que Martim Vasques da Cunha será um dos grandes nomes da intelectualidade em nosso país.
Grande abraço,
Guilherme Prezia

2:58 AM  
Blogger Danielhenlou said...

Não sei se você lerá esse comentário, Martim, dado o tempo que já já foi publicado esse post. Meu nome é Daniel Lourenço e tenho também um blog (daniellourenco.blogspot.com). Gostaria de publicar sua entrevista no meu blog, como não tenho acesso a seu email, tenho que fazer o pedido por aqui. Se quiser me responder por email, meu endereço está no perfil que você localiza no blog.

Obrigado.

8:28 AM  
Blogger mmjiaxin said...

nba jerseys
ralph lauren outlet
san antonio spurs
pandora outlet
beats by dre
oakley canada
ugg boots
cheap ray ban sunglasses
converse shoes
north face outlet
true religion jeans outlet
puma outlet
tods shoes
adidas outlet
abercrombie and fitch
ugg boots
north face outlet
louis vuitton,borse louis vuitton,louis vuitton sito ufficiale,louis vuitton outlet
hermes birkin bag
tommy hilfiger
mm1124

5:41 PM  
Blogger chenlina said...

chenlina20160414
ray ban wayfarer
nike roshe runs
coach outlet
instyler max
oakley sunglasses
coach outlet
coach factory outlet
michael kors handbags
nike air max
michael kors uk
gucci handbags
ralph lauren uk
kate spade
louis vuitton handbags
asics outlet
timberland outlet
ray ban sunglasses
nike air max 90
oakley sunglasses outlet
kobe 11
ray ban sunglasses
hollister outlet
ed hardy clothing
michael kors outlet store
toms shoes
tiffany and co
jordan 11 concord
michael kors purses
coach factory outlet
kobe bryant shoes
ralph lauren polo
nike outlet
jordan 4 toro
louis vuitton outlet
kate spade handbags
coach outlet
jordan retro 11
nike roshe run
oakley outlet
coach outlet
as

7:32 PM  
Blogger princess Totta said...

http://www.kuwait.prokr.net/
http://www.emirates.prokr.net/

11:09 AM  
Blogger alice asd said...

ralph lauren
under armour shoes
cardinals jersey
skechers shoes
ugg boots
adidas nmd
ugg boots
titans jersey
michael kors handbags clearance
cheap nike shoes sale
20170415alice0589

2:27 AM  
Blogger عبده العمراوى said...

شركة رش مبيدات بجازان
شركة رش مبيدات بالخبر

8:28 AM  

Post a Comment

<< Home