Wednesday, January 03, 2007

NÃO QUEREM QUE A NOVIDADE RETORNE


Um dos grandes eventos do ano de 2006 foi a volta do romance, este gênero literário que já incendiou a imaginação de milhares e milhões. Mas será que voltou mesmo? Vejamos: dois autores de língua inglesa, o veterano Thomas Pynchon e o novato Jonathan Littell, lançaram seus respectivos livros, “Against the Day” e “Les Bienveillants”, com algum estardalhaço publicitário. Em primeiro lugar, porque são romances com mais de 900 páginas (“Against the Day” comete a heresia de ter 1086 páginas); em segundo lugar, porque mexem com um assunto desagradável, mas freqüente no nosso dia-a-dia: a guerra.

Jonathan Littell, um americano que escreveu o seu primeiro romance em francês e, para cúmulo do povo que instituiu a guilhotina como solução dos problemas, ganhou o prêmio máximo da literatura local, o Goncourt, relata em “Les Bienveillants” (“As Benevolentes”, uma referência às divindades gregas que consumavam o destino de um pobre pecador) a vida de Maximilian Aue. Quem é o fulano? Segundo a mente imaginativa de Littell, Aue foi um integrante da SS nazista que, entre seus hobbies, praticava o incesto, o homossexualismo e o sado-masoquismo (ah, sim, às vezes também planejava o extermínio de seres humanos); o livro é escrito em um francês claro, repleto de divertidos anglicismos, em que o tom é de um “conto moral para os irmãos fraternos”, o que significa que talvez o leitor seja obrigado a mergulhar no mal humano como se fosse algo – e aqui surge a Hannah Arendt dentro de nós – “banal”.

Já Pynchon, famoso recluso que não tira fotos, não dá entrevistas, mas não hesita em defender Ian McEwan de uma idiota acusação de plágio, faz, com “Against the Day”, a súmula de sua obra. Uma obra e tanto, diga-se de passagem: Pynchon é, possivelmente, o maior escritor vivo, com livros surpreendentes como “V.”, “O leilão do lote 49”, “O Arco-Íris da Gravidade” e “Mason & Dixon”, que retratam o vazio espiritual do Ocidente com um humor e uma tragédia somente vistas em um Thomas Mann ou um Robert Musil. “Against the Day” (o título é uma expressão das epístolas de São Pedro sobre quem aguarda o dia do Julgamento Final) continua com a mesma obsessão: cria um panorama gigantesco que começa na Feira Mundial de Chicago em 1893 e termina às vésperas da Primeira Guerra Mundial. O alvo é claro a partir do momento em que percebemos que todos os personagens estão envolvidos com o mundo da ciência e do terrorismo clandestino. Pynchon não hesita em relacioná-los ao atacar a atmosfera intoxicante de progresso que dominava o final do século XIX e o início do século XX – e que tudo isso somente teve um fim: a destruição em massa do ser humano.

Cada um desses escritores passou, no mínimo, dez anos preparando cada livro. E o que faz a crítica? Em menos de um mês, em algumas linhas, em poucos minutos, eles sugerem que lê-los seria uma perda de tempo. Littell foi acusado de “banalizar” o mal nazista, torná-lo “sensacionalista”; Pynchon foi jogado para o lado e muitos afirmaram que ele não é mais “o romancista que a América precisa”. Ah, a crítica, este setor pobre da inteligentzia! O que fazer dela? Ainda não perceberam que a crítica apenas determina a moda, o costume do tempo, enquanto o artista determina o subterrâneo do tempo, que está realmente oculto e que, sem nenhum aviso, explode em nossos olhos como uma bomba?

Não, não perceberam. Durante anos reclamaram que o romance estava morto, acabado. Seu nome vinha dos termos “novel” (em inglês) e “novella” (em italiano e depois transformado para o espanhol) que significava exatamente isso: a novidade. O romance nunca foi um simples gênero literário; era, nas palavras de Milan Kundera, um novo modo de conhecimento da realidade, uma cortina que se abria para o ser humano e mostrava os seus sonhos, as suas hipocrisias, as suas esperanças e, sobretudo, as suas infâmias. Com o passar do tempo, disseram que a sua morte se devia ao fato de que ninguém tinha nada a dizer, que a história terminara com um suspiro e não com um estrondo e que, kaput, sobrava apenas algumas ruínas e a literatura de péssimo gosto.

Mas eis que estes dois sujeitos, Thomas Pynchon e Jonathan Littell, mostram que a novidade voltou. Pynchon é explícito em suas intenções: logo abaixo do título de seu livro, ele insere um aviso - “A novel”. Uma novidade. Littell não é tão sutil, mas não menos astuto. Em entrevistas, ao ser perguntado porque escreveu um livro gigantesco sobre um nazista, tema já comum em milhares de teses e estudos, foi direto ao ponto: Porque queria saber como alguém decide se tornar uma porcaria. Para responder isso precisa ter muita coragem – virtude fundamental para um artista nos nossos dias. E qual a razão disso? Simples: ninguém deseja ver que o início de todas as guerras, de todos os terrores, de todas as bombas que explodem sem aviso, está na covardia de enfrentar a guerra dentro de nós. Não é uma novidade, mas, muitas vezes, o artista deve informá-la aos outros do modo mais escandaloso possível.

Ora, a crítica apenas cumpre a sua função: espalhar o medo, enfraquecer a virtude, não deixar que a novidade retorne. Isso não significa que o artista deva desistir. Seu norte sempre foi e sempre será o da perseverança. Se a qualidade de um livro pode ser intuída da sua epígrafe de abertura, então Pynchon já tem o seu lugar garantido no topo das boas novas; ele abre “Against the Day” com uma frase de Thelonious Monk, o grande pianista de jazz que, parece, tinha os seus rasgos de místico: It is always night, for we wouldn´t need light. É sempre noite pois não precisaríamos de luz. Não é uma mera epígrafe; é toda uma declaração de valores. O romance é o farol pelo qual toda a sociedade deve se guiar, mesmo que o caminho pareça estreito e difícil. E a função do artista é apresentar esta realidade implacável e misteriosa aos olhos do ser humano – para que fique preparado quando estourar a bomba da destruição e persevere na adversidade.

3 Comments:

Blogger mmjiaxin said...

nba jerseys
ralph lauren outlet
san antonio spurs
pandora outlet
beats by dre
oakley canada
ugg boots
cheap ray ban sunglasses
converse shoes
north face outlet
true religion jeans outlet
puma outlet
tods shoes
adidas outlet
abercrombie and fitch
ugg boots
north face outlet
louis vuitton,borse louis vuitton,louis vuitton sito ufficiale,louis vuitton outlet
hermes birkin bag
tommy hilfiger
mm1124

5:41 PM  
Blogger Ann Ann said...

I corti e calzini del nuovo Bayer Leverkusen Jako terzo kit sono di colore bianco con applicazioni di rosso e nero.Il RasenBallsport Leipzig e.V. (abbreviato RB Leipzig – in italiano RB Lipsia – e anche noto impropriamente come Red Bull Leipzig), è una società calcistica tedesca con sede nella città di Lipsia, in Sassonia.magliette calcio,
maglie calcio,
Magliette Napoli
Maglia Athletic Bilbao online

4:32 AM  
Blogger Ann Ann said...

Our Bears House Flag hangs vertically and provides a top sleeve for insertion of your flagpole. The Bears House Flag measures 28x42 inches, is constructed of 2-ply polyester, and both sides are dye sublimated with the NFL team logo as shown.wholesale Indiana Colts american flag,
cheap Indianapolis Colts american flag,
buy Jacksonville Jaguars american flag,stars and stripes flags,

4:32 AM  

Post a Comment

<< Home